Transportes

Comércio marítimo deverá crescer até 2024

Comércio marítimo deverá crescer até 2024

O comércio marítimo mundial perdeu força em 2018, com o volume a registar um crescimento de 2,7% face a 2017, contudo, abaixo das médias históricas de 3% e 4,1% registadas em 2017. No mais recente relatório, a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) estima que os volumes totais tenham atingido 11 mil milhões de toneladas, uma alta histórica.

Para 2019, a UNCTAD prevê um crescimento de 2,6% e uma taxa de crescimento média anual de 3,4% no período 2019-2024. No entanto, as perspetivas continuam desafiadoras, dada a crescente incerteza em relação à política comercial e os amplos riscos negativos que embaçam o horizonte.

Em 2018, o crescimento do comércio mundial de mercadorias desacelerou a um ritmo inesperado e as tarifas sobre o comércio entre a China e os Estados Unidos da América aumentaram devido às tensões comerciais e à proliferação de medidas nacionais restritivas ao comércio. Além das correntes cruzadas de política comercial, geopolítica e sanções, preocupações ambientais, economia de combustível e tensões envolvendo o Estreito de Ormuz – um estrangulamento marítimo estratégico – foram notícia.

Outras forças em ação continuaram a remodelar lentamente o cenário do transporte marítimo. Um “novo normal”, contrastando com a perspetiva histórica, parece estar a afirmar-se. Essa tendência é caracterizada por um crescimento moderado geral da economia e comércio globais, uma reestruturação da cadeia de abastecimento em favor de fluxos comerciais mais regionalizados, um reequilíbrio contínuo da economia chinesa, um papel maior da tecnologia e serviços nas cadeias de valor e logística, intensificação de desastres naturais mais frequentes e ruturas relacionadas com o clima, e uma agenda acelerada de sustentabilidade ambiental com uma maior consciencialização do impacto do aquecimento global.

Uma transição para o “novo normal” exige, no entanto, “um entendimento aprimorado das principais questões que estão em jogo, um melhor planeamento e políticas flexíveis e prospetivas que possam antecipar efetivamente as mudanças e permitir medidas de resposta apropriadas que levem em conta a natureza heterogênea dos países em desenvolvimento como um grupo e suas variadas condições e necessidades locais”, conclui a UNCTAD.