Formação

Sabe de que forma os dados podem otimizar as operações logísticas?

Sabe de que forma os dados podem otimizar as operações logísticas?

Tem sido um tema recorrente em diversos setores de atividade nos últimos anos e, para muitas empresas, acabou por ser o caminho para encontrar novas formas de rentabilizar o negócio. O Big Data é um dos ‘temas quentes’ de setores como a Banca e o Retalho, mas a sua aplicabilidade na supply chain é maior do que a maioria das empresas imagina.

De acordo com um artigo recentemente publicado pela revista Fortune, o Big Data tem o poder de tornar a supply chain mais eficiente, mas será que as empresas do setor estão a fazer uso das suas potencialidades?

Como explica à publicação Jeff Karrenbauer, Presidente da Insight, empresa de consultoria dedicada a supply chain, houve nos últimos anos uma explosão ao nível do conhecimento disponível sobre Big Data. “Podemos resolver problemas maiores e mais complexos. Problemas nos quais não podíamos tocar há 10 ou 15 anos atrás”, refere.

É que, como argumentam os especialistas, com melhor recolha e análise de dados, maior acesso a tecnologias e inovação, a supply chain tem agora o poder de criar modelos de trabalho mais eficientes e aplicáveis a tudo, como custos e taxas.

“Podem usar-se modelos para encontrar falhas de eficiência em sourcing, agendamento e rotas que nenhum humano seria capaz de detetar. Estes estudos de ‘design de rede’ podem até cortar os custos da supply chain em cerca de 15%”, conclui o consultor.

Mas analisar dados não é ainda uma competência ao alcance de todos, sobretudo, quando a maioria dos profissionais não domina sequer ferramentas como o Excel. Para diretores de compras e responsáveis de logística, responsáveis de armazém e diretores e responsáveis de aprovisionamento, saber utilizar o Excel poderá permitir, por exemplo, identificar formas de reduzir erros e simplificar processos na gestão e valorização de stocks.

Para além disso, o Excel aplicado aos processos logísticos tem o potencial de ajudar a desenvolver bases de dados de cadastro e análise de fornecedores, a definir modelos de análise de dados e informações que permitam realizar uma boa previsão da procura e a garantir a segurança das informações.