Indústria

Lucro da Europac atinge os 78 M€ em 2017

Lucro da Europac atinge os 78 M€ em 2017

O Grupo Europac encerrou o ano de 2017 com vendas agregadas de 1 186 milhões de euros, um aumento de 10,9% face a 2016, um valor que representa um aumento de 59,4% no resultado líquido da empresa, que chegou aos 78 milhões de euros.

Os resultados publicados esta semana pela Europac revelam ainda um aumento de 25% no EBITDA consolidado, para 158 milhões de euros, e de 19,3% no EBITDA recorrente, que atingiu os 147 milhões de euros. “A diferença entre os EBITDA consolidado e recorrente deve-se fundamentalmente aos efeitos extraordinários derivados às vendas da fábrica de embalagem de Tânger e do operador logístico do porto de Viana do Castelo e à liquidação das garantias vinculadas à aquisição das fábricas de papel e embalagem de Rouen (França) em 2008”, explica a empresa.

José Miguel Isidro, presidente do Grupo Europac, refere que “os resultados de 2017 são os melhores pelo terceiro ano consecutivo, ainda que não representem o nosso melhor resultado possível. A manutenção da procura de papel com subidas adicionais em janeiro de 2018 e a tendência de baixa do preço da sua matéria-prima, que acumula quedas de 45 euros por tonelada desde o princípio do ano, juntamente com a necessária recuperação das margens do negócio de embalagem, permitem acreditar que os resultados da companhia têm potencial para continuar a melhorar”.

O presidente do Grupo salienta ainda que “o ano evoluiu de menos para mais e caracterizou-se pelo fortalecimento da procura final e as subidas reiteradas dos preços de venda de papel, que unidas à gestão de otimização de custos e ao aumento da produtividade permitiram-nos cumprir os objetivos estratégicos 2015-2018 com um ano de antecipação, confirmando o bom trabalho realizado nos últimos exercícios, que tiveram um efeito multiplicador com as boas condições de mercado vividas em 2017”.

Na divisão Papel, a Europac revela que “os investimentos no aumento da capacidade de produção e eficiência das máquinas permitiram otimizar o impacto das subidas dos preços de venda, provocadas pela solidez da procura e pelo crescimento das expedições num contexto de níveis mínimos de stocks”.

No que diz respeito à divisão de Packaging a empresa registou um crescimento do volume em todos os mercados e aumentou as vendas em 5%.