Mobilidade

Matosinhos: “O Plano de Mobilidade Logística será um pilar da estratégia de organização do território”

Matosinhos: “O Plano de Mobilidade Logística será um pilar da estratégia de organização do território”

O município de Matosinhos está a preparar um Plano de Mobilidade Logística para dar resposta aos desafios de desenvolvimento e organização do território, associados ao crescimento da atividade logística na região. José Pedro Rodrigues, Vereador dos Transportes e Mobilidade da Câmara Municipal de Matosinhos, que esta semana marcará presença no MOB Lab Congress, explica que esta estratégia permitirá corrigir e prevenir erros nas atividades logísticas e garantir a qualidade de vida da população.

Que iniciativas estão a desenvolver no município de Matosinhos no âmbito da Mobilidade? 

Em simultâneo com a conclusão do Plano de Mobilidade e Transportes, em elaboração desde 2016 e com conclusão prevista para este ano, temos em curso um programa de introdução de medidas de acalmia de tráfego e melhoria da eficiência da rede viária, com intervenção física, por um lado, e pela implementação de sistemas inteligentes, como por exemplo o sistema de monitorização de fluxos de tráfego em tempo real, em experiência no centro da cidade de Matosinhos.

Temos também vindo a apoiar soluções de modernização do serviço de táxi, em Matosinhos, com recurso a serviços digitais que melhoram a capacidade de resposta do serviço e beneficiam os utentes. Igualmente a mobilidade ciclável tem merecido a atenção do Município, com o teste de soluções de adaptação da rede viária para acomodar com visibilidade e segurança este modo de circulação mais vulnerável.

Paralelamente, em 2016, data em que os municípios se constituíram como autoridades de transportes, partilhando estas competências com a Área Metropolitana do Porto, o Município tem vindo a desenvolver iniciativas no sentido de ampliar as condições do serviço, com a extensão da rede e com a diminuição dos custos de acesso, com o alargamento integral da rede ao tarifário Andante. Estas decisões tiveram já consequências muito positivas, se observarmos o volume de crescimento de validações Andante em Matosinhos. De 2016 para 2017, cresceu a um ritmo superior ao da Área Metropolitana, respetivamente, 4,2% e 3,3%, ultrapassando as 3,8 milhões de validações, em Matosinhos, em 2017.

Está também a ser preparado um Plano de Mobilidade Logística que dê resposta aos desafios de desenvolvimento e organização do território, associados ao crescimento da atividade logística, economicamente relevante em Matosinhos, com perspetivas de reforço, intimamente ligada às infraestruturas estratégicas que nele estão sediadas, como o Porto de Leixões, com a sua ferrovia, as plataformas logísticas, a proximidade com o Aeroporto, entre outros equipamentos que colocam este Município do coração da logística metropolitana e do noroeste peninsular.

Durante o atual mandato, diversas convergências estão previstas. A articulação entre as políticas de desenvolvimento do território, traduzidas na conclusão do Plano Diretor Municipal, o avanço na implementação das ações constantes no Plano de Mobilidade e Transportes, sobretudo a melhoria da rede de transportes públicos. O desenvolvimento de soluções de inteligência urbana, traduzidas no Laboratório para a Descarbonização da Cidade, candidatura de Matosinhos ao Fundo Ambiental, bem-sucedida, que permitirá ao município durante os próximos 24 meses testar e monitorizar soluções urbanas, sobretudo na área da mobilidade, mas com expressões também ao nível de eficiência energética em edifícios e espaços públicos. O Plano de Mobilidade Logística será um pilar da estratégia de organização do território, corrigindo e prevenindo erros na localização das atividades logísticas, garantindo por um lado a qualidade de vida das populações das comunidades onde esta atividade está concentrada e, por outro, contribuindo para a eficácia económica do sector da logística.

O que procuram os utentes/munícipes hoje em dia como soluções de mobilidade?

Entendemos que procuram soluções de transporte que correspondam às exigências do ritmo quotidiano.

No transporte público, entendemos que os utentes procuram serviços eficazes, confortáveis, acessíveis nos custos, mas sobretudo pontuais e frequentes, que sirvam a generalidade do território, com horários compatíveis com ritmos laborais diurnos e noturnos.

Nos modos suaves, entendemos que os munícipes procuram uma rede viária mais segura, mais confortável para os peões e com evoluções mais visíveis em matéria de segurança e acessibilidade, melhor convívio entre os diferentes modos de transporte, melhores condições de parqueamento das bicicletas, melhores condições de articulação deste modo de circulação com o uso do transporte público, acesso a soluções de partilha de soluções mais dispendiosas, como bicicletas elétricas, voltadas para circuitos quotidianos mais longos.

Como vê a mobilidade no município de Matosinhos no futuro?

No futuro, vejo a mobilidade de Matosinhos mais inteligente e democrática, com soluções de transporte melhores e mais acessíveis, interligadas e capazes de responder a um cada vez maior número de solicitações, e solicitações mais variadas e complexas, em função dos diversos usos económicos, sociais e culturais dos espaços, serviços públicos e das necessidades das empresas presentes no território. Uma mobilidade que responda melhor a esta complexidade garante a qualidade de vida das populações e melhores condições de desenvolvimento das atividades económicas presentes no concelho. Necessitamos que este futuro seja construído à luz de soluções de transporte que contribuam decisivamente para a descarbonização e sustentabilidade ambiental das comunidades.