Portos

Portos nacionais movimentam 33 milhões de toneladas nos primeiros quatro meses do ano

terminal de contentores do Porto de Sines

Os portos nacionais registaram um volume de tráfego total de 33 milhões de toneladas nos primeiros quatro meses deste ano, um crescimento de 12% que, de acordo com a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, representa “a melhor marca de sempre”. O Porto de Sines continua a liderar, com uma quota de 54,9%.

De acordo com os dados agora publicados, o crescimento na movimentação de carga nos portos nacionais nos primeiros quatro meses do ano deve-se, sobretudo, às variações positivas observadas nos portos de Lisboa (+20,7%), Aveiro (+19,2%) e Sines (+16,2%), que se traduzem num acréscimo total de cerca de 3,9 milhões de toneladas (65% das quais têm origem no porto de Sines).

No que diz respeito ao mês de abril, os dados agora publicados mostram que o volume de tráfego portuário do continente registou um crescimento de 9,3% face ao primeiro quadrimestre de 2016.

 No primeiro quadrimestre deste ano, o crescimento do tráfego de contentores para o conjunto das operações Lo-Lo e Ro-Ro fixou-se em 26,8%, correspondente a um volume de 662 mil unidades, e em 29,7% no volume de TEU, ultrapassando a marca de um milhão (1,08 milhões TEU) pela primeira vez, desde sempre, num primeiro quadrimestre.

“Este comportamento é determinado essencialmente pelo porto de Sines, cuja quota de mercado, em TEU, ascende a 61,2% (+8,8 pontos percentuais do que no mesmo período de 2016), após ter registado um acréscimo de 51,5%. As operações de transhipment realizadas no porto de Sines são um forte influenciador do tráfego de contentores no sistema portuário nacional, cujo volume registado no período em análise ascendeu a 551,4 mil TEU, um acréscimo de 60,3% face ao período homólogo”, revela a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes.

No período em análise registaram-se 3589 (+3,1% face a 2016) escalas de navios das diversas tipologias, incluindo os navios de cruzeiro, e uma arqueação bruta (GT) global superior a 64,2 milhões (+5,6% face ao período homólogo). O crescimento do número de escalas no conjunto dos portos comerciais resultou principalmente do comportamento registado nos portos de Lisboa (+10,1%), Aveiro (+9%), Figueira da Foz (+8,5%), Viana do Castelo (+5,4%) e Setúbal (+5,3%), sendo negativo em Sines (-2,1%), Douro e Leixões (-2,2%) e Faro (-60,9%). Se considerarmos o volume de arqueação bruta, verificamos que o porto de Sines registou um acréscimo de +6,4% e representa cerca de 49% do total de GT.

Por outro lado, a Carga Geral e os Granéis Líquidos registaram, entre janeiro e abril de 2017, crescimentos de 23,1% e 5,4%, respetivamente. Já a classe dos Granéis Sólidos registou globalmente um acréscimo de 2%, fixando a sua quota de mercado em 20,3%.