Portos

Portos nacionais movimentam 40 milhões de toneladas até maio

terminal de contentores do Porto de Sines

Os portos do continente movimentaram um total de 40 milhões de toneladas nos primeiros cinco meses do ano. De acordo com a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, esta é a primeira vez que os portos nacionais ultrapassam esta marca.

O Porto de Sines voltou a liderar o movimento portuário nacional, representando 52,8% do total da carga movimentada. Lisboa, por sua vez, também tem vindo a recuperar no volume de contentores, com um aumento de 58,9% nos TEU movimentados face a 2016.

Numa nota enviada às redações, a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes refere que “entre janeiro e maio de 2017, os portos comerciais do continente ultrapassaram pela primeira vez 40 milhões de toneladas, 10,1% face ao período homólogo de 2016, constituindo assim a melhor marca de sempre. Esta marca reflete idêntica situação verificada nos portos de Leixões, Aveiro e Sines que apresentaram variações homólogas de +10,3%, +23,8%, +9,1%, respetivamente, sendo também alavancada pelo comportamento do porto de Lisboa que apresentou um acréscimo de +30,3%.” Na segunda posição dos portos nacionais que mais carga movimentaram durante este período surge o Porto de Leixões, com uma quota de 19,9%, seguido de Lisboa, com 12,1%.

Nos primeiros cinco meses do ano, o movimento de contentores atingiu as 824,3 mil unidades para o conjunto das operações Lo-Lo e Ro-Ro, um valor a que correspondem mais de 1,3 milhões de TEU, refletindo um crescimento de +24% e +26,2%, respetivamente.

Para além disso, nos portos comerciais registou-se um total de 4577 escalas de navios de diversas tipologias entre janeiro e maio de 2017, a que correspondeu um volume global de arqueação bruta (GT) de 84,7 milhões (respetivamente +3,4% e +8,6% do que nos primeiros cinco meses de 2016). “A nível das classes de carga, destaca-se a Carga Geral que regista um volume de 18,5 milhões de toneladas, passando a representar 45,6% do total da carga, muito por efeito do comportamento da Carga Contentorizada que registou em crescimento de +22,3% face ao mesmo período de 2016. O comportamento desta classe de carga é ainda influenciado positivamente pelo crescimento da carga Ro-Ro de +17,5%. A classe dos Granéis Líquidos registou, no período de janeiro a maio de 2017, uma quota de 34,1%, após um crescimento de +3,8%, resultante do acréscimo de +21,6% dos Produtos Petrolíferos. Já a classe dos Granéis Sólidos registou globalmente um acréscimo de +5,9%”, acrescenta a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes.