Portos

Estivadores convocam greve de quatro semanas ao trabalho suplementar

Estivadores convocam greve de quatro semanas ao trabalho suplementar

Os estivadores dos portos de Lisboa, Setúbal, Sines, Figueira da Foz, Leixões, Caniçal, Ponta Delgada e Praia da Vitória convocaram uma greve ao trabalho suplementar entre os dias 13 de agosto e 10 de setembro. Em causa, diz o SEAL, que representa os trabalhadores portuários, estão “condições precárias”, alegadas pressões psicológicas e a troca de estivadores especializados por funcionários sem especialização.

Numa nota enviada às redações, o Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística (SEAL), sublinha que “constituem motivos graves, determinantes desta declaração da greve, a crescente proliferação de práticas antissindicais nos diversos portos portugueses, revestindo-se estas de extrema gravidade no porto de Leixões, permanecendo ainda graves no porto do Caniçal, agravadas pelo quadro de retaliação por parte das entidades patronais que, em resposta à jornada de luta motivada pelas situações de Leixões e Caniçal (manifesto e vídeo sobre o assunto aqui e aqui), optaram por rasgar um acordo celebrado no mês passado, relativo ao porto de Lisboa.”

De acordo com o sindicato, “esta é mais uma das muitas formas de assédio moral sobre os trabalhadores portuários, que se somam à perseguição e à coação, desde o suborno à discriminação, desde as ameaças de despedimento até à chantagem salarial, comportamentos ‘criminosos’ que pretendem, não apenas colocar os trabalhadores uns contra os outros, mas evitar que os mesmos procedam à sua sindicalização de forma livre e consciente.”

Os estivadores dos portos nacionais cumprem hoje (27 de julho) uma “greve solidária” de 24 horas.