Transportes

Glovo quer chegar a mais do que 23 cidades portuguesas

Glovo quer chegar a mais do que 23 cidades portuguesas

As cidades portuguesas já representam perto de 10% da globalidade das cidades onde a Glovo exerce a sua atividade. Se em 2019, a Glovo chegou a 300 cidades em todo o mundo, em território nacional são 23 as cidades (Almada, Amadora, Braga, Cascais, Coimbra, Covilhã, Ermesinde, Faro, Funchal, Gaia, Guimarães, Lisboa, Loures, Maia, Oeiras, Odivelas, Ponta Delgada, Porto, Queluz, Rio Tinto, Sintra, Torres Vedras e Vila Real) onde a aplicação que permite comprar, recolher e entregar qualquer produto opera.

Ricardo Batista, country manager da Glovo em Portugal, afirma que a empresa termina o ano de 2019 com “ótimos resultados a nível global e com a ambição de fazer cada vez melhor neste novo ano que se avizinha”. O responsável admite que “queremos estar próximos nos mercados em que operamos, através dos nossos parceiros, oferecendo serviços inovadores e diferenciados. Queremos também ser a ‘cidade nos bolsos’ dos nossos utilizadores, dando-lhes a oportunidade de pedirem e receberem o que quiserem desde que caiba dentro da mochila da Glovo, seja medicamentos, compras de supermercado, recolha e entrega de documentos, ou qualquer outro produto”.

Ricardo Batista salienta que Portugal “é um mercado em plena expansão” e, mesmo por isso, “já temos planos de expansão para 2020”.

Globalmente, a Glovo conquistou mais de 9 milhões clientes em todo o mundo e registou 76 milhões de pedidos entregues desde a sua fundação, em 2015, em Barcelona, contando, presentemente, com mais de 20.000 parceiros.

Em 2019, a Glovo procurou alargar o âmbito das coberturas dos programas de seguro destinados aos mais de 38.000 estafetas que efetuam entregas através da plataforma, uma extensão aplicada ao seguro que a Glovo já disponibilizava aos estafetas independentes que usam a plataforma durante o exercício da sua atividade. Estas novas coberturas permitem à Glovo melhorar a proteção dos estafetas, um dos principais pilares da empresa.

Quanto aos funcionários a Glovo conta já com uma equipa de 1.500 pessoas a nível global, prevendo, para 2020, reforçar a sua equipa de engenheiros, planeando contratar mais de 200 engenheiros (atualmente a equipa de engenharia da Glovo tem mais de 100 especialistas), para criar uma experiência mais inteligente e eficiente para os clientes, reduzir o tempo de espera para os estafetas e ajudar a empresa a lançar e liderar novos mercados na África, Europa e América Latina.

Ao nível global destaca-se ainda, no que diz respeito aos recursos humanos, a criação de um Tech Hub Glovo, na Polónia, com mais de 40 engenheiros contratados e mais de 50 especialistas em tecnologia e produtos a serem contratados neste centro dedicado à inovação, uma área em que a startup pretende apostar cada vez mais.

De referir que a Glovo tornou-se num dos unicórnios europeus, depois duma injeção de capital de 150 milhões de euros, em abril de 2019, numa ronda de financiamento da Série D, liderada pela empresa internacional de capital de risco Lakestar.