Quantcast
Transportes

Entregas zero emissões são o “novo normal”

veículos comerciais ligeiros Renault

As entregas ao domicílio com zero emissões são agora o “novo normal”, revelam as conclusões de um recente Whitepaper da LeasePlan acaba de divulgar – “Porque chegou o momento da transição para uma frota VCL elétrica”. A análise salienta que esta mudança apenas é possível graças à introdução de uma nova gama de Veículos Comerciais Ligeiros (VCL) elétricos.

Há muito que as cidades lutam contra o congestionamento e a poluição atmosférica, e a pressão está a aumentar ainda mais à medida que o número de entregas de encomendas ao domicílio continua a subir. Para resolver este problema os Governos de toda a Europa estão a estimular a transição para a condução elétrica. Por exemplo, um número crescente de autoridades locais está a introduzir uma legislação mais rígida em zonas de emissões reduzidas (ZER) e de ar puro para limitar o número de veículos altamente poluentes em áreas urbanas. Os analistas da companhia especialista em gestão de frotas referem que “os VCL elétricos são uma boa forma de contornar essa legislação assegurando o acesso aos centros das cidades, que é essencial para a continuidade das suas atividades”.

Tex Gunning, CEO da LeasePlan, destaca, alias, que “hoje, mais do que nunca, as pessoas confiam nos serviços de entrega ao domicílio, e isto está a gerar um aumento no tráfego na distribuição de entregas nos centros urbanos. Os veículos comerciais elétricos são uma ótima forma de satisfazer esta procura crescente de serviços de compras online, sem sacrificar a qualidade do ar nas nossas cidades. A nossa pesquisa mostra que existe agora uma gama de veículos comerciais elétrica, de próxima geração, prestes a chegar ao mercado, que pode transformar a mobilidade comercial urbana. Em resumo: não há desculpa para não trocar a sua carrinha branca por uma carrinha verde e fazer das entregas com zero emissões o novo normal”.

No Whitepaper destaca-se o facto do aumento das zonas de emissões reduzidas (ZER) nas cidades de toda a Europa estar a reforçar a procura de veículos comerciais elétricos – uma tendência reforçada pelos esforços para reduzir a pegada de carbono entre os operadores de frotas empresariais e do setor público.

Mas também os OEM (Fabricante de Equipamento Original, em inglês, Original Equipment Manufacturer) estão a começar a introduzir uma nova gama de veículos comerciais elétricos de médio e grande porte na sequência de novas pesquisas que mostram que as empresas que realizam serviços de entrega de proximidade dão prioridade ao volume total de carga possível em detrimento à carga útil máxima.

Já quanto à autonomia, o Whitepaper refere que a maioria dos novos veículos comerciais elétricos têm uma autonomia oficial de cerca de 160 km, com alguns fabricantes a afirmarem mesmo que os seus veículos mais recentes podem atingir uma autonomia de até 270 km. As autonomias atuais são, portanto, suficientes para que os veículos comerciais elétricos possam completar um dia de entregas sem terem de ser recarregados.

Finalmente, no que toca ao TCO (Custo Total de Propriedade) dos veículos comerciais elétricos é cada vez mais competitivo, à medida que os fabricantes desenvolvem uma nova gama de veículos comerciais “inicialmente elétricos”, em vez de reconfigurar modelos de combustão interna mais antigos. A queda dos custos das baterias e a disponibilidade generalizada de benefícios fiscais e incentivos governamentais estão também a melhorar a competitividade dos veículos comerciais elétricos em termos de custos.

Mob Lab Congress 2020