Quantcast
Transportes

Glovo investirá 20 milhões em 2021 para estar mais perto e ser mais rápido

Glovo

Depois de consolidar a sua posição no segmento de food delivery, a plataforma tecnológica Glovo pretende agora ser a app de referência para o Quick Commerce (Q-Commerce), a terceira geração de comércio, baseada na simplicidade, oferta local e entregas ultrarrápidas de todos os tipos de produtos na cidade.

Para tal, a Glovo criou uma nova unidade de negócio, denominada Q-commerce, que terá marca e identidade próprias, e que centralizará a estratégia e o desenvolvimento tecnológico da empresa a nível global, com o intuito de ser a plataforma para liderar este movimento.

O objetivo é conectar os utilizadores não só a restaurantes, mas também a supermercados e outros estabelecimentos da sua cidade, como lojas de brinquedos, eletrónica e videojogos, presentes, produtos de beleza ou perfumaria, entre outros, e com prazo de entrega inferior a 30 minutos. Para isso, a empresa aumentará o seu investimento para 20 milhões, em 2021, a fim de construir a plataforma e acelerar as alianças em alimentação e retalho.

“Queremos oferecer um serviço tão imediato como abrir a torneira em casa e água corrente. A Glovo sempre foi mais do que uma aplicação de entrega de comida, mas agora vamos mais longe: queremos ser a plataforma número um para o comércio local on demand e que um utilizador possa comprar qualquer produto na sua cidade, quando e onde quiser, e de forma praticamente imediatamente ”, explica Daniel Alonso, diretor-geral global de Q-commerce da Glovo a imprensa especializada espanhola.

Desta forma, a Glovo vai ao encontro de um dos maiores desafios que o comércio eletrónico enfrenta, que é conseguir entregas mais rápidas, maximizando o tempo que decorre entre a compra de um produto e a sua entrega.

Para garantir um serviço de entrega em menos de meia hora, a empresa continuará a expandir a sua rede de dark stores. Em Espanha, este ano, abriu mais três armazéns próprios em Barcelona e dois em Madrid, contando, atualmente, com cinco centros em Barcelona e quatro em Madrid, todos estrategicamente localizados dentro das cidades, de onde prepara e envia os encomendas do seu supermercado Glovo Market. No total, a Ibéria tem 10 dark stores, incluindo o seu centro de Lisboa e, globalmente, o especialista em entregas anunciou que irá expandir o número de dark stores de 22 para 100 em 2021. Especificamente, em Espanha vai lançar novos armazéns em Sevilha, Valência e Saragoça e outro em Portugal, no Porto.

Perto e rápido
Com esta estrutura logística de pequenos armazéns centrais, a Glovo pretende oferecer, através da sua loja Glovo Market, o serviço de supermercado de conveniência mais rápido do mercado, 100% on demand. “A nossa missão é oferecer uma experiência imbatível para as necessidades de comodidade e isso significa poder oferecer um serviço aberto 24 horas, sete dias por semana, com entrega em 20 minutos, frete grátis e sem pedido mínimo”, afirma Clara Moreno, diretora de dark stores da Glovo Iberia. Atualmente, o supermercado Glovo Market oferece cerca de 2.000 referências de conveniência, tem mais de 40.000 utilizadores mensais e já entrega uma média de dois pedidos por minuto na Espanha.

A intenção da Glovo é oferecer uma compra ultrarrápida dos produtos mais procurados, como parafarmácia, beleza, moda, brinquedos, música, eletrónica ou papelaria, entre outros, o que representará uma oportunidade para a categoria não alimentar. A proposta de valor da plataforma será a entrega dos pedidos o mais rápido possível, com os mesmos preços da loja física e com frete grátis para os usuários ‘Prime’. A recolha será feita nas dark stores da Glovo, o que representará uma mudança em relação ao modelo clássico de recolha nos estabelecimentos físicos dos seus parceiros.

A nova unidade de negócios Q-commerce, já em andamento, já entregou mais de 9 milhões de pedidos em 2020 nos 22 países onde a plataforma está presente, com 22.700 pontos de venda associados. Como a empresa destaca, esta divisão tem registado um crescimento anual de 318% no volume de negócios, desde outubro do ano passado.

Daniel Alonso recorda que, atualmente, 60% da receita da Glovo vem da entrega de comida a casa, 30% de supermercados e 10% de retalho, adiantando que a empresa espera que estas três verticais permitam chegar a receitas mensais na ordem dos 40 milhões de euros no final de 2021, o dobro de 2018 (últimas contas reportadas), e 10 milhões proveniente do retalho.