Transportes

Receitas da Deutsche Post DHL aumentam 1% primeiro trimestre

Deutsche Post DHL

O Grupo Deutsche Post DHL, aumentou a receita em 0,9% no primeiro trimestre de 2020 face a igual período de 2019, atingindo os 15.5 mil milhões de euros. Já o lucro operacional (EBIT) foi de 592 milhões de euros, confirmando, assim, os números trimestrais preliminares publicados em abril.

No primeiro trimestre de 2020, todas as cinco divisões registaram um lucro operacional, apesar do impacto negativo da pandemia de COVID-19, indicando o grupo alemão que, “como o impacto adicional da pandemia não pode ser previsto, não é viável fazer uma orientação para o ano inteiro de 2020”.

Assim sendo, o Grupo Deutsche Post DHL retirou a sua previsão para o ano inteiro a 7 de abril, informando que “serão emitidas novas orientações assim que houver uma base mais confiável para permitir uma previsão detalhada dos lucros”.

No entanto, o grupo confirma a sua previsão a médio prazo do EBIT de pelo menos 5.3 mil milhões de euros em 2022. As previsões acumuladas para investimentos e fluxos de caixa de 2020 a 2022 também permanecem inalteradas, embora sujeitas a reservas relacionadas aos impactos ainda não quantificados de pandemia de COVID-19 sobre o fluxo de caixa livre durante o ano corrente.

Relativamente ao fluxo de caixa operacional, este aumentou para 750 milhões de euros no primeiro trimestre (252 milhões de euros em 2019), testemunhando a sólida posição financeira do Grupo, mesmo em tempos de crise.

“Graças ao nosso bom balanço e situação de liquidez, conseguimos investir quase 500 milhões de euros no primeiro trimestre, apesar da COVID-19. Assim, fortalecemos a nossa rede global e preparamo-nos para um crescimento mais lucrativo no futuro”, afirma Melanie Kreis, CFO do Grupo Deutsche Post DHL.”

No primeiro trimestre de 2020, o Grupo Deutsche Post DHL investiu um total de 453 milhões de euros (2019: 448 milhões de euros) em todas as divisões. Ao todo, o Grupo Deutsche Post DHL gerou lucro líquido consolidado de 301 milhões de euros (após interesses não controlados) no primeiro trimestre de 2020 (2019: 746 milhões de euros).

Express continua a subir
No que toca à operação Express da DHL, esta conseguiu aumentar a receita e gerar bons lucros no primeiro trimestre, apesar da pandemia de COVID-19. A receita aumentou 4,5% para 4.2 mil milhões de euros. A disponibilidade da sua própria frota de aeronaves de carga demonstrou ser um fator essencial para a divisão, permitindo-lhe disponibilizar entregas urgentes aos clientes, apesar da paralisação virtual nos voos de passageiros, resultando na perda de capacidade de carga em muitas regiões do mundo.

No primeiro trimestre, a divisão Express registou um lucro operacional de 393 milhões de euros (2019: 453 milhões de euros). Os ganhos foram afetados negativamente pelo uso desequilibrado da sua rede, devido à pandemia. Assim que a situação voltar ao normal, a divisão Express poderá novamente utilizar a sua infraestrutura global exclusiva com mais eficiência. O impacto negativo total da Covid-19 nos lucros foi de 90 milhões de euros no primeiro trimestre, sentindo-se os efeitos à medida que o vírus se propagava. Embora os negócios na China já tenham registado uma recuperação notória em março, os negócios na Europa e na América do Norte verificaram uma tendência no final do trimestre semelhante à da China em fevereiro. No entanto, a margem operacional permaneceu a um nível muito bom de 9,5% (2019: 11,4%).