Transportes

“Temos a garantia de que a operação Expresso ficará na Portela”

Olivier_Establet_dpd_group

Com a discussão em torno do novo aeroporto de Lisboa ao rubro, com a atual indecisão relativamente ao Montijo, o CEO da DPD Portugal, Olivier Establet, deixou uma certeza: “Temos a garantia de que a operação Expresso ficará na Portela. Foi essa a garantia dada à APOE [Associação Portuguesa de Operadores Expresso]”.

Questionado por quem deixou essa garantia, Establet não quis adiantar  nomes, deixando só a certeza de que “foi nos dada essa garantia”.

De resto, a importância da localização do aeroporto, ou melhor, das operações Expresso ficarem na Portela prende-se com a hora a que se podem iniciar as entregas. “Em Lisboa há entregas a serem efetuadas logo pelas 10 horas da manhã. Com a operação fora de Lisboa, naturalmente, que isso não será possível”, concluindo o responsável de que isso “terá impacto não só no que Portugal importa e os e-shoppers compram, mas também nas exportações”.

A DPD Portugal aproveitou a apresentação do barómetro DPDgroup e-shopper 2019, para revelar o estado do comércio digital no nosso país e mostrar as contas referentes ao ano 2019.

DPD Portugal prevê 2,2 milhões de encomendas entre Black Friday e Natal

Se a nível internacional, a DPD, rede internacional de entregas do Groupe La Poste, obteve receitas de 7,8 mil milhões de euros, em 2019, correspondendo a um crescimento de 6,7% face a 2018, tendo entregue 1,3 mil milhões de encomendas em todo o mundo, o que equivale dizer que fez 5,3 milhões por dia, em Portugal as receitas atingiram 72,3 milhões de euros. Já as entregas no mercado português ascenderam, no ano passado a 20,7 milhões, equivalendo a 83 mil encomendas entregues diariamente em 600 circuitos de distribuição.

Para o futuro, Olivier Establet deixou as indicações de que a sustentabilidade e as preocupações com a redução das emissões serão um foco. “Queremos reduzir em 30% as emissões por encomenda até 2025”. Em França, por exemplo, a cidade de Paris já adotou um sistema de logística urbana, onde a solução URBI da DPD é um novo modelo de negócios.

Em Lisboa, de resto, a DPD Portugal implementou uma nova iniciativa de monitorização da qualidade do ar, alinhada com o programa de responsabilidade corporativa e social DrivingChange do DPDgroup. Este programa é uma das medidas inseridas no Compromisso Lisboa Capital Verde Europeia 2020, que a DPD Portugal assinou com a Câmara Municipal de Lisboa.

Daí, o CEO da DPD Portugal admitir que esta “consciência ambientalista” passará, também, pela implementação de “micro-depots” na cidade de Lisboa, reconhecendo mesmo que estes “são a solução sustentável do futuro”.