Quantcast
Energia

Eaton sublinha importância da gestão energética dos centros de dados

Um relatório revela que o trafego dos centros de dados globais atingirá 20,6 zetabytes e, por isso, Eaton sublinha a gestão energética.

Os últimos dados do relatório Global Market Insights revelam que o tráfego IP dos centros de dados globais atingirá 20,6 zetabytes até 2021, mais do dobro dos dados de 2016 (6,8 zetabytes). Face a estas estimativas, a Eaton, empresa de gestão de energia, afirma que “para manter a rede de energia estável, os centros de dados precisam de começar a funcionar com um enfoque na sustentabilidade e tornar-se mais conscientes do quanto consomem como um todo”.

De acordo com o relatório, a pandemia estimulou a utilização de serviços digitais durante 2020 – já existem mais de 5,3 mil milhões de utilizadores da Internet e 29,3 mil milhões de dispositivos conectados – tanto a nível pessoal como empresarial.

“Temos assistido à vida pessoal e profissional tornarem-se remotas, a gestão inteligente dos centros de dados posicionou-se, por isso, como uma necessidade absoluta. Sem uma garantia de acesso físico devido a confinamentos, limites de capacidade ou outras características das circunstâncias excecionais que estamos a viver, os engenheiros precisam de ser capazes de gerir à distância não só o software ou os servidores, mas toda a infraestrutura energética em que operam”, explica o responsável pelo segmento de Data Center na Eaton Iberia, Juan Manuel Lopez.

Devido à energia e eletricidade que estes centros de dados vão precisar cada vez mais, a Eaton alerta para a “necessidade de construir uma infraestrutura que permita uma maior capacidade de produção de energia, utilizando ao mesmo tempo os recursos de forma responsável”.

Para o responsável da Eaton, “é aqui que os sistemas de fornecimento ininterrupto de energia têm a resposta. Mais conhecido como SFI, pode utilizar os seus sistemas de armazenamento de energia, baterias, para equilibrar a rede de energia externa”.