APLOG

As novas fronteiras da logística em discussão no 22.º Congresso da APLOG

As novas fronteiras da logística em discussão no 22.º Congresso da APLOG

É já nos próximos dias 16 e 17 de outubro que a Associação Portuguesa de Logística (APLOG) coloca em discussão “As Novas Fronteiras da Logística”, no PT Meeting Center, no Parque das Nações, em Lisboa.

Entre as fronteiras em apreciação, estarão as físicas e geográficas com o AICEP; as da sustentabilidade com a BCSD e a Chep ou as da qualidade com a Havi, Lactogal e Sonae MC.

Durante o congresso será, também, colocada a questão se as fronteiras são iguais na Fashion, na Indústria Automóvel, na Saúde, no Agroalimentar e no Retalho, estando garantida a presença de vários líderes desses verticais. Também a forma como Escolas/Institutos/Empresas de Formação e Recrutamento e a Indústria antecipam a preparação dos futuros técnicos e líderes estará em debate, ficando os projetos “Novas Centralidades” a cargo do Grupo Luís Simões/Nestlé e Real-time Visibility – Zetes/Intermarché.

A parte tecnológica será abordada pela Maersk que irá descrever a realidade das TradeLens – Blockchain e pela NOS que antecipa os Impactos do 5G/IOT na logística.

Os portos darão notícias sobre os novos projetos de alargamento do seu perímetro de atuação e haverá ainda lugar para analytics, plataformas colaborativas e planeamento preditivo nos transportes.

Finalmente, e antes dos CEOs serem desafiados no último painel, a Accentura irá antecipar as próximas fronteiras da inovação com os Fjord Trends.

Para Raúl Magalhães, presidente da APLOG, a 22.ª edição do evento nasce, “fruto de uma reflexão estratégica que efetuámos dentro da própria APLOG, durante o 1.º trimestre, na qual foi identificada a necessidade de nós, enquanto associação do setor, olharmos para a logística da cadeia de valor de uma forma um pouco mais ampla”.

O responsável da associação salientou, em entrevista exclusiva à revista LOGÍSTICA&TRANSPORTES HOJE, que “o mundo mudou, as cadeias de valor também, a atividade económica hoje tem pouquíssimas semelhanças, essencialmente, com os principais processos que existiam há uns anos e o papel da logística e dos transportes, também ele próprio, alterou-se”.