Supply Chain

As principais tendências na cadeia de fornecimento alimentar

As principais tendências na cadeia de fornecimento alimentar

O Food Marketing Institute (FMI), um trade group, com sede em Washington DC (EUA), na área do marketing alimentar, retalho alimentar e grossistas, acompanha as tendências tecnológicas e estratégicas que vêm sendo formuladas pelas quais os alimentos saem do produtor para os lineares das lojas desde 1976.

Recentemente, Mark Baum, vice-presidente sénior de relações com a indústria do FMI, publicou a sua lista das tendências da cadeia de fornecimento do retalho alimentar que estão, atualmente, a definir a industrial.

Informação é poder
Se houver uma tendência geral dentro da cadeia de fornecimento do setor que está a impulsionar a mudança e provavelmente permanecerá, é a procura por parte do consumidor em saber mais sobre os alimentos que consome. Por exemplo, de acordo com o relatório de 2019 US Grocery Shopper Trends do FMI, o comprador médio procura seis mensagens diferentes na frente da embalagem do produto e 70% dizem que ter “informações precisas exibidas na prateleira ou com o produto” é muito importante. O SmartLabel e outras tecnologias que fornecem aos consumidores informações detalhadas sobre os produtos fazem parte do futuro da transparência da cadeia de fornecimento.

Cadeias de Fornecimento on-demand
Há uma necessidade de velocidade. Com os consumidores a acostumarem-se à entrega diária e/ou por hora, haverá um foco maior em como melhorar e alavancar a cadeia de fornecimento de ponta a ponta. As redes de supply chain precisarão de tornar-se eficientes e movimentar-se mais rapidamente do que nunca nesta “nova economia do imediato”, apontando Baum que “será possível assistir-se a um colapso contínuo dos ciclos à medida que os processos continuam a ficar mais rápidos e mais inteligentes”.

Mudança nas skills da cadeia de fornecimento
Avanços em automação, impressão aditiva e uma nova geração de robótica inteligente e flexível e outras ferramentas de automação continuarão a remover os custos de mão-de-obra da cadeia de fornecimento. Isso significa que as skills da cadeia de fornecimento do futuro serão diferentes das atuais. À medida que os silos da cadeia de suprimentos se transformam numa resposta de ciclo rápido uniforme, “precisaremos de pessoas que sejam mais do que técnicos, que possuam habilidades de colaboração além de sua especialização operacional.”, refere o vice-presidente sénior de relações com a indústria do FMI.

As principais tendências na cadeia de fornecimento alimentar

O coração da cadeia de fornecimento
A gestão do transporte está no centro da execução da cadeia de fornecimento, interagindo e impactando várias funções centrais da organização. A gestão do transporte influência crucialmente a capacidade de atender os clientes, melhorar os níveis de serviço, encurtar os prazos de entrega e evitar atrasos na entrega, mantendo ou cortando custos. Por isso, “o setor precisa melhorar a capacidade, aumentando a eficiência e a agilidade”, salienta Mark Baum.

Dados, dados e mais dados
O nível de transparência e insights potencialmente valiosos sobre as cadeias de fornecimento que a revolução de dados criou são surpreendentes. Nos últimos três anos, a quantidade de dados gerados no mundo ultrapassou por uma margem dramática todos os dados previamente criados na história da humanidade.

O rastreamento de cada caixa, palete, veículo, item e cliente na cadeia de fornecimento continuará a criar uma grande quantidade de dados. “Esse vasto oceano de dados detalhados, além dos dados de transação, fornecerá as condições evolutivas perfeitas para toda uma nova geração de machine learning e otimização”, concluindo Baum que “as empresas que podem reunir e analisar os dados corretos relativamente à sua cadeia de fornecimento serão as terão o maior sucesso no futuro”.