Logística

As vantagens de uma rede de cadeia de abastecimento dinâmica

As vantagens de uma rede de cadeia de abastecimento dinâmica

As exigências dos clientes contribuem significativamente para a complexidade adicional, os custos e os desperdícios que os retalhistas verificam nas respetivas cadeias de abastecimento. Apesar de as empresas referirem as devoluções mais flexíveis, entregas mais rápidas e entregas em tempo real como as principais causas, novas pesquisas levadas a cabo pelos decisores da área do retalho reforçam a necessidade imperiosa de melhorar a visibilidade da cadeia de abastecimento, revela o recente relatório de investigação relativo à visibilidade da cadeia de abastecimento da Zetes.

De acordo com este relatório, a falta de visibilidade está a afetar a performance das organizações e os principais problemas que se afiguram são os níveis de inventário excessivos, o aumento do desperdício, a perda de vendas devido à indisponibilidade dos produtos, a falta de alertas em tempo real para minimizar potenciais ruturas e, por fim, a capacidade de identificar mercadorias devolvidas como stock disponível.

O estudo realizado pela Sapio Research em nome da Zetes, revelou que 94% dos inquiridos não dispõem da visibilidade ideal relativamente aos eventos que afetam a performance da cadeia de abastecimento, ao passo que 87% concordam que uma cadeia de abastecimento totalmente visível com atualizações em tempo real pode conceder uma vantagem competitiva a uma organização. No entanto, praticamente três quartos (71%), referem que a ausência de visibilidade da cadeia de abastecimento teve um efeito negativo nos negócios.

O estudo adianta ainda que 33% dos inquiridos mencionam que o elevado volume de dados e a falta de acesso a dados em tempo real estão a revelar-se um desafio ao tentar melhorar a visibilidade da cadeia de abastecimento. Também a satisfação e a lealdade dos clientes são objetivos empresariais essenciais, reconhecendo-se que a visibilidade da cadeia de abastecimento poderia melhorá-los em mais de 30%. Por último, 42% dos decisores da cadeia de abastecimento consideram a “redução dos desperdícios” um grande desafio.

Com tantas áreas potenciais da cadeia de abastecimento a abordar, para onde se dirigem os retalhistas a partir daqui?
Amir Harel, diretor-geral de Soluções de Visibilidade da Zetes, adianta que, “em última análise, o objetivo da visibilidade consiste em adquirir um melhor controlo e desbloquear o potencial da performance. Enquanto plataforma para uma maior eficiência e colaboração em rede, pode ser transformadora. Sem esta, os retalhistas debatem-se por alcançar as grandes conquistas associadas às melhorias relativas aos desperdícios, disponibilidade na prateleira, desempenho dos fornecedores e envolvimento dos clientes”.

O responsável da Zetes admite ainda que a chave é “combinar a visão mais ampla com o pragmatismo”. Dito de outra forma, “importa pensar em grande, mas começar em pequena escala e depois ir crescendo à medida que os ganhos se tornam evidentes. Com os conhecimentos adequados dos processos relativos à cadeia de abastecimento e de como sincronizar os fluxos de dados físicos e digitais entre sistemas díspares, é possível alcançar rapidamente o retorno do investimento com o mínimo de complexidade e investimento em tecnologia”, conclui Harel.