- Logistica e Transportes Hoje - https://www.logisticaetransporteshoje.com -

Associação de Operadores do Porto de Lisboa tem nova presidente

A Associação de Operadores do Porto de Lisboa (AOPL), que agrega todos os operadores do Porto de Lisboa, elegeu esta semana a sua nova direção, com Andreia Ventura a ser nomeada presidente da organização.

Segundo Andreia Ventura, agora nomeada presidente da AOPL, “para a AOPL, os interesses dos operadores portuários que representa devem ser defendidos levando em conta a relevância económica e social do Porto de Lisboa, pois a sua influência e impactos económicos diretos e indiretos têm um alcance não apenas local, mas também regional e nacional. No âmbito das parcerias e entendimentos, a AOPL quer fomentar o diálogo com todos os stakeholders do Porto de Lisboa, desde o Governo, através do Ministério do Mar, e a APL, a todas as entidades com interesses nessa zona, nomeadamente todos os municípios da área de jurisdição do Porto de Lisboa, como a Câmara Municipal de Lisboa.”

A nova direção da Associação de Operadores do Porto de Lisboa definiu como prioridades a aposta no desenvolvimento do Porto de Lisboa, a promoção do valor económico da sua localização para a região e para Portugal, a renegociação dos prazos das concessões de serviço público de movimentação de cargas; o reforço da ligação entre o porto e a cidade e a construção de parcerias e entendimentos entre os diversos stakeholders do Porto de Lisboa.

De acordo com o estudo realizado pela sociedade de consultores Augusto Mateus & Associados para a APL em 2016, o impacto económico direto do Porto de Lisboa traduz-se em 1,5 mil milhões de euros de Valor Bruto de Produção, 350 milhões de euros de Valor Acrescentado Bruto (VAB), 6 631 postos de trabalho e 205 milhões de euros em remunerações

O estudo revela ainda que se contarmos com os efeitos económicos diretos, indiretos e induzidos, o Porto de Lisboa assegura 58 mil milhões de euros de Valor Bruto de Produção, 23 mil milhões de euros em VAB, 722 mil postos de trabalho e 11 mil milhões de euros em remunerações, 15% da riqueza gerada a nível nacional e 16% do volume de emprego em Portugal.