Groundforce garante que assegurou a totalidade dos voos

A Groundforce afirma que foi possível assegurar a totalidade dos voos previstos para o passado fim-de-semana, apesar dos efeitos da greve que afectou os serviços de assistência em terra nos aeroportos do Continente e Madeira.

A Groundforce afirma que foi possível assegurar a totalidade dos voos previstos para o passado fim-de-semana, apesar dos efeitos da greve que afectou os serviços de assistência em terra nos aeroportos do Continente e Madeira. Segundo a companhia, entre as zero horas de sábado e as vinte e quatro horas de domingo, foi prestada assistência a 1.278 voos, não se tendo registado nenhum cancelamento por razões imputáveis à paralisação convocada pelo Sindicato dos Técnicos de Handling Aeroportuário (STHA).

O êxito da operação deveu-se, segundo a Groundforce, ao esforço e dedicação dos quadros e colaboradores, à estreita articulação com as companhias aéreas e à cooperação da ANA – Aeroportos de Portugal.

A Groundforce Portugal reconhece, no entanto, que a paralisação convocada pelo STHA «gerou desconforto acrescido à generalidade dos passageiros, que em alguns casos foram submetidos a longos períodos de espera e ansiedade».

No aeroporto de Lisboa, esses atrasos foram em média de 74 minutos por voo durante o dia de sábado, dos quais 63 imputáveis à greve, e de 29 minutos por voo no domingo.

A Groundforce Portugal reitera ainda a sua total abertura e disponibilidade para negociar e apela ao STHA que retire o segundo pré-aviso de greve.