CHEP Revolucionando A Cadeia De Abastecimento

Antecipar tendências de consumo: a chave para otimizar a cadeia de abastecimento

Antecipar tendências de consumo: a chave para otimizar a cadeia de abastecimento

 

Num mundo cada vez mais acelerado, onde a economia é marcada por uma elevada volatilidade, todas as indústrias enfrentam um grande desafio: conseguir dar resposta, sob forma de bens e serviços, às necessidades e aos desejos mais momentâneos e até efémeros dos consumidores. Os desafios surgem depois: como gerir o stock, a alocação de recursos e as necessidades logísticas?

A otimização do setor da logística e da cadeia de abastecimento era, tradicionalmente, significado de “força bruta”. A solução para uma maior procura passava por camiões maiores, navios maiores, armazéns maiores. E a resposta, aparentemente, seria escalar a oferta o mais rápido possível. Resultado? Acumulação de stock, transportes desnecessários e pouca informação logística a chegar aos destinatários dos bens transportados. Perante este cenário, observava-se uma clara ineficiência e acumulação de falhas na otimização de custos e tempo.

Atualmente, num paradigma em que os consumidores alteram as suas necessidades a uma velocidade nunca antes vista, é necessário repensar a forma como as operações logísticas são implementadas: as soluções apresentadas pretendem agora endereçar a complexidade de forma a não “adivinharem” as necessidades de abastecimento, mas sim a preverem o que vai ser procurado.

É possível, assim, reduzir a necessidade de armazenar ou deitar fora produtos em ótimo estado. Para que a produção e armazenagem seja exatamente a que é, na realidade, necessária, tornou-se urgente, mais do que dar resposta às necessidades, compreender melhor e mais profundamente o cliente. É neste sentido de contribuir para uma maior otimização da cadeia de abastecimento que o índice exclusivo CHEP Retail Index foi criado.

  
Mas o que é o CHEP Retail Index?

O índice nasceu em 2011, na Austrália, fruto da constatação da lacuna existente na capacidade de tomada de decisões estratégicas alinhadas às tendências de consumo. Criado pela CHEP em parceria com um parceiro externo especialista na análise de Big Data, este é um índice trimestral único que prevê as tendências de consumo no setor do retalho, permitindo uma visão clara do mercado e uma melhor planificação de necessidades.

A metodologia do CHEP Retail Index consiste na recolha de dados macroeconómicos agregados (relativos a produtos alimentares; não alimentares, como combustível para veículos automóveis, bens para o lar, têxteis ou equipamentos de telecomunicações; bebidas; e tabaco) de mais de 45 milhões de movimentos de paletes, com um histórico de mais de cinco anos. A estes dados são aplicadas técnicas de Deep Learning (uma ramificação da Inteligência Artificial) que têm permitido melhorar as capacidades dos computadores ao nível de classificação, reconhecimento e descrição de dados, contribuindo assim para um aperfeiçoamento da precisão dos modelos através de melhores algoritmos e de um maior poder computacional.

Com melhores dados e maior capacidade para os compreender, o CHEP Retail Index é uma ferramenta crucial para compreender padrões e tendências de consumo, dando resposta aos desafios que a cadeia logística enfrenta. Em simultâneo, contribui positivamente para a tão desejada otimização da supply chain. Consideramos, assim, essencial disponibilizar esta ferramenta também no mercado português, que é de uma vital importância para a CHEP.

Há 25 anos que estamos presentes em Portugal e temos hoje mais de 800 clientes no país, entre distribuidores e fabricantes. Enquanto empresa parceira de soluções logísticas, construímos uma relação de confiança, possível apenas através do nosso posicionamento único no setor, que permite uma oscultação permanente das necessidades dos nossos clientes. Com a implementação deste índice em Portugal, conseguimos oferecer um melhor apoio aos nossos clientes e parceiros de ecossistema na melhoria e sustentabilidade dos seus negócios.

Artigo patrocinado por