Portos

Comunidade Portuária de Lisboa diz que sem paz social “não será possível recuperar”

Liscont diz que não houve violações ao Acordo para a Operacionalidade do Porto de Lisboa

A Comunidade Portuária de Lisboa (CPL) emitiu um comunicado esta terça-feira (15 de outubro) em que diz considerar “positivo” o facto de o Porto de Lisboa ainda não ter sido alvo de qualquer paralisação desde o início deste ano.

“Para a revitalização e crescimento do Porto de Lisboa, há tanto desejados, é imprescindível um duradouro clima de paz social, dando estabilidade aos utilizadores do porto”, diz a CPL em comunicado.

“Sem essa paz credível não será possível recuperar os clientes e o movimento entretanto perdidos”, acrescenta.

O SEAL revelou no início do mês que vai recorrer aos tribunais para exigir o pagamento das atualizações salariais previstas no acordo com as empresas de estiva e trabalho portuário de Lisboa.

Segundo o presidente do SEAL, António Mariano, na assembleia-geral realizada em 5 de outubro, em Lisboa, os trabalhadores “decidiram não avançar para a greve e optaram pelo recurso aos tribunais para exigir o cumprimento do acordo laboral no que respeita às atualizações salariais de 4% em 2018 e de 1,5% em 2019”.

António Mariano disse ainda que as empresas estão a cumprir todos os outros pontos do referido acordo laboral que abrange cerca de 350 trabalhadores, mas que ainda não procederam às atualizações salariais, que também estão previstas no documento, nem à integração de todos os componentes das retribuições mensais nos subsídios de férias e de Natal.