Transportes

Força bruta!

É uma máquina de trabalho. Ponto. Mas não descura o conforto nem a tecnologia. As primeiras impressões enganam, pois parece que entrámos num todo o terreno de lazer. Desenganem-se a Navara é uma máquina de força bruta!

Durante os vários dias que testamos a Nissan Navara N-Connecta de 3 lugares não a poupamos! Ora viajamos em autoestrada, ora conduzimos no meio da cidade e até a levamos para o campo – o seu habitat mais natural. Começando pela nota negativa, talvez a única das seguintes linhas: o seu uso pouco aconselhável dentro das cidades. Não é para isso que a Navara serve, já o sabiamos mas não deixámos de a testar nesse ambiente. E aí não nota-se que não é o seu espaço natural. É demasiado grande e pesada para o pára-arranca enervante que as nossas urbes oferecem em demasia. É quase como colocar um elefante numa loja de loiças. Não que não faça o seu trabalho com rigor e brio, mas o seu peso e força tem posteriormente correspondência nas dores dos braços do condutor. Arrumar e fazer manobras em espaços contíguos é uma ação quase masoquista. Ou seja, é um desperdício andar com uma máquina deste calibre, que mal se liga o botão de ignição dá a conhecer o seu poderoso binário, pelas ruas estreitas das cidades portuguesas. Deem-lhe espaço!
A seguir levamos esta Navara para a autoestrada, numa viagem de ida e volta que totalizou quase 400 quilómetros. E que bem se comportou a máquina pelo asfalto! A sua força dos seus 160 cavalos compensa a massa de grande volume do habitáculo e que apesar da sua aerodinâmica se sente como um travão natural assim que pé pisa mais suave no acelerador. Levámos a Nissan sem carga, apenas o condutor e passageiro – há espaço muito contíguo para um passageiro de ocasião numa espécie de terceiro banco na cabine, mas qualquer viagem que mais de um par de quilómetros será penoso para quem ocupar esse espaço…, perdão, lugar. Mas, esta é uma máquina de trabalho, não de passeio. Contudo, nos quase 400 kms feitos a experiência foi muito similar há de um jipe de lazer. Conforto muito acima da média, boa posição de condução, equipamento topo e até os gastos de combustível (uma média de 8,5 litros aos 100km) a serem “normais” para quem conduz dentro da velocidade permitida por lei. Há que sublinhar que esperávamos mais dificuldades e lentidão na autoestrada para esta Navara. Mas uma vez nas velocidades mais altas o comportamento é exemplar e esquecemo-nos que estamos numa máquina de trabalho.

No campo, finalmente!

E finalmente, depois da cidade e da autoestrada levámos a máquina para o campo. E aí percebemos do que é feita esta Navara. Perde-se um pouco o conforto – estávamos mal habituados pelos pisos lisos das experiencias dos dias de teste anterior – mas percebemos a sua força e eficácia. Esta Nissan não se sente rogada e dificilmente diz que não a um desafio que tenha terra, lama e pisos irregulares. Claro, não estamos a falar de um veículo de corrida para Bajas ou outras tantas competições, estamos a escrever sobre uma máquina de trabalho que vai aos locais mais difíceis transportar o que conseguir levar na sua ampla caixa aberta. A experiência só não ficou 100% completa apenas porque não colocámos carga no veículo, mas percebemos que se trata de uma opção muito segura e robusta para quem necessita traçar caminhos mais irregulares no seu dia-a-dia laboral, sejam em que industria for.

125 assessórios

Para quem não sabe esta Navara foi eleita Pick-up Internacional do Ano, e tem uma gama de 125 acessórios, o que faz com que se possa personalizar o veículo de acordo com os gostos e utilização do veículo. Alguns dos acessórios mais diferenciadores são: um fundo deslizante da plataforma de carga, que facilita as cargas e as descargas, degrau traseiro dobrável para melhorar o acesso à plataforma de carga, assistência na tampa de carga: um sistema que eleva suavemente a tampa do compartimento de carga do veículo, com o toque num botão e ainda um transportador de carga engenhoso que permite aproveitar o espaço por cima da cobertura do espaço de carga (quando esta cobertura for selecionada). E agora só faltam os restantes 121 assessórios disponíveis…
Mas ainda queremos sublinhar alguns destaques técnicos.

A suspensão redesenhada, de cinco braços, desta nova Navara. A pick up da Nissan oferece um moniotor de visualização de área circundante, o NissanConnect 7´´ e faróis LED e o Sistema Anti Colisão Frontal (FEB). Outra novidade na Navara é o diferencial eletrónico de deslizamento limitado (eLSD), concebido para proporcionar uma condução mais segura e com mais aderência. Entre as funcionalidades adicionais de segurança e conforto incluem-se ainda o Controlo da Velocidade de Cruzeiro, o Controlo Assistido em Descidas (HDC) e o Arranque Assistido em Subidas (HSA).

Concluindo: é mesmo uma máquina de trabalho com uma força bruta para andar no campo com toda a eficácia e na estrada (fora das urbes) com todo o conforto. O nível de equipamento da versão que testamos é acima da média, mas faz todo o sentido para quem irá passar muito tempo dentro desta máquina.

Artigo publicado na edição de novembro de 2016 da revista LOGÍSTICA & TRANSPORTES HOJE