Mobilidade

Há uma nova plataforma de carsharing em Portugal

Há uma nova plataforma de carsharing em Portugal

A Parpe, plataforma de carsharing peer-to-peer (P2P) brasileira, acaba de chegar a Portugal, mercado que, de acordo com a empresa, servirá de porta de entrada para a sua expansão na Europa.

A empresa, que quer ajudar a ganhar dinheiro com o carro que o utilizador tem parado à porta, cobra uma comissão de serviço de 20% e diz que a rentabilidade, no Brasil, “para os proprietários chega aos dois mil reais (o equivalente a 500 euros) por mês.”

“A plataforma online tem um simulador que permite a qualquer pessoa saber quanto pode ganhar por ano, tendo em conta o valor do carro e o número de dias em que vai estar disponível para aluguer. Para anunciar o seu carro, basta preencher os requisitos da plataforma: que o veículo tenha menos de 15 anos de existência, menos de 200 mil quilómetros e um valor comercial inferior a 75 mil euros. Depois, é só registar o veículo e aguardar a aprovação pela Parpe. É o proprietário quem define o preço do aluguer da sua viatura, tendo sempre uma sugestão da Parpe, que é sustentada num algoritmo de recomendação, com base na oferta e na procura”, explica a plataforma em comunicado.

Fábio Alves, CEO da empresa em Portugal, revela que “a mobilidade pode ser descentralizada. Nós acreditamos que este fator vai permitir à Parpe não só promover a economia local, proporcionando um rendimento extra ao dono do carro, como trazer outros benefícios, promovendo, por exemplo, o prolongamento do tempo de um turista no interior do país.”

A empresa afirma-se ainda como “o primeiro serviço de aluguer de viaturas peer-to-peer com um segmento de Special Cars (carros desportivos) e Clássicos. “É uma experiência única de utilização a que o público em geral não teria acesso de outra forma, que não existia no mercado”, afirma o CEO.

“A ideia é que os utilizadores possam alugar carros antigos ou de alta cilindrada para dias especiais, como um casamento ou um aniversário. As viaturas vão estar listadas em três categorias distintas: ‘Carros Utilitários’, ‘Carros Funcionais’ e ‘Special Cars e Clássicos’ e os preços vão ser em alguns casos 30% a 40% mais baixos do que os serviços já existentes no mercado”, conclui a Parpe.