Transportes

MAN revela o que é preciso para tornar as frotas elétricas

MAN revela o que é preciso para tornar as frotas elétricas

“As unidades de propulsão elétrica têm um papel central na transição para a mobilidade livre de emissões; no entanto, converter toda uma frota para e-autocarros traz vários desafios às empresas de transportes”. Quem o diz é a MAN, que refere que apesar de os carros elétricos serem ainda uma minoria nas estradas, os veículos comerciais propulsionados por combustíveis alternativos já estão bem estabelecidos em diversas áreas.

“A crescente procura pela redução de emissões nas áreas urbanas conduziu a um pico de interesse por parte das empresas de transportes em veículos com sistemas especialmente ecológicos. Contudo, converter frotas inteiras para veículos com propulsão elétrica traz desafios inesperados aos operadores”, sublinha a MAN.

“Aqueles que preparam meticulosamente e com antecipação a introdução de e-autocarros, e que planeiam intensivamente, conseguirão ultrapassar quaisquer dificuldades”, defende Stefan Sahlmann, Responsável pelas Transport Solutions na MAN Truck & Bus.

“Além da infraestrutura da estação de carregamento, outros factores no armazém, como o tamanho, segurança e situação do parque, desempenham um papel importante”, acrescenta Sahlmann. “Também é importante considerar o armazenamento local de energia. Através da utilização de geradores adicionais, podem conseguir-se reduções significativas nos custos com energia, já que as necessidades energéticas podem ser cumpridas durante períodos em que não está a ser utilizada toda a capacidade da rede, e portanto quando o custo da eletricidade é mais baixo.”

A MAN Truck & Bus está há vários anos envolvida na colocação de sistemas de propulsão alternativa em autocarros urbanos e pretende agora reduzir ao máximo as emissões produzidas pelos sistemas de transportes públicos. Ao longo do próximo ano, um modelo de autocarro a bateria (BEV) em pré-produção será sujeito a testes práticos em diversas cidades europeias, revela a empresa, que diz ainda que a produção em série deverá ter início antes de 2020.