Quantcast
Transportes

Medway lidera consórcio para desenvolver smart wagons em Portugal

A Medway confirmou durante os últimos dias estar a encabeçar um consórcio de 10 entidades num projeto que visa criar carruagem inteligentes em Portugal.

Neste projeto de 82 milhões de euros, a ideia passa, conforme comunicado enviado às redações, por “recuperar a indústria ferroviária de fabrico de vagões em Portugal, com o intuito de devolver capacidade produtiva ao país, com a criação de vagões inteligentes para mercadorias – “smart wagons”.

 

O desenvolvimento dos “smart wagons” terá um impacto significativo na redução das emissões carbónicas, diminuindo em 55% as emissões de CO² durante o processo produtivo, uma vez que, além de uma manutenção mais eficiente, a produção recorrerá a energias renováveis e irá incorporar materiais reciclados.

Com cinco empresas (MEDWAY Maintenance & Repair, MEDWAY Terminals, MEDWAY Operador Ferroviário de Mercadorias, Nomad Tech e EVOLEO Technologies) envolvidas, o projeto conta também com a participação de quatro ENESIIs (Entidades Não Empresariais do Sistema de Investigação e Inovação – Instituto Superior Técnico, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, INEGI – Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial e ISQ) e o cluster para a competitividade, a Plataforma Ferroviária Portuguesa, capaz de produzir um produto de elevado valor acrescentado, com a incorporação de tecnologia, conhecimento técnico-científico e produção industrial, cobrindo todo o ciclo de vida do vagão.

 

Bruno Silva, Director Geral da MEDWAY destaca: “Este consórcio, do qual a MEDWAY faz parte, pretende transformar o perfil português, potenciando a capacidade produtiva de vagões para mercadorias e de sistemas de sensorização, bem como a implementação de metodologias de manutenção preditiva, reduzindo desperdício e aumentando a disponibilidade deste ativo. Além do impacto no perfil de especialização da economia portuguesa, este investimento também permitirá recuperar a indústria ferroviária de Portugal e inverter a balança comercial do país, substituindo importações por exportações.”

Paulo Duarte, Director Executivo da Plataforma Ferroviária Portuguesa refere: “É uma oportunidade irrecusável para demonstrar a nossa capacidade produtiva industrial, aliada às tecnologias inovadoras e de alto valor acrescentado e diferenciadoras no mercado ferroviário, mostrando os resultados que é possível efectuar, num trabalho de equipa e de valorização nacional, a partir do Cluster Ferroviário.”

 

Este investimento vai permitir a criação de 65 postos de trabalho diretos, na região do médio Tejo, colmatando o recente desafio de gerar novos postos de trabalho em compensação pelo encerramento da Central Termoeléctrica do Pego.