Transportes

Motoristas de matérias perigosas vão mesmo avançar com greve

O mediatismo da greve dos motoristas

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas já entregou o pré-aviso de greve, com início marcado para o dia 12 de agosto e por tempo indeterminado. Os motoristas ameaçam com greve até que entre em vigor o novo Contrato Coletivo de Trabalho (CCT) para o setor.

A greve tinha já sido aprovada a 6 de julho e foi apresentada pelos sindicatos Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM).

A proposta do CCT prevê um aumento do salário base de 100 euros nos próximos três anos (1400 euros brutos para 2020, 1600 para 2021 e 1800 para 2022), melhoria das condições de trabalho e pagamento das horas extraordinárias a partir das oito horas de trabalho.

O representante da ANTRAM nas negociações com os representantes dos motoristas já disse esta semana estar disponível para ouvir as propostas dos sindicatos e para chegar a acordo para um aumento salarial de 300 euros para o próximo ano.

“Estamos hoje aqui com total disponibilidade para ouvir aquilo que vai ser a postura dos sindicatos, disponíveis para chegar a um entendimento dentro daquilo que é um aumento de 300 euros para o próximo ano para estes motoristas e no fundo perceber qual é o incumprimento que a ANTRAM efetivamente criou, na justa medida em que só hoje é que podemos apresentar as nossas contrapropostas”, afirmou André Matias de Almeida, representante da ANTRAM citado pela Lusa.