Transportes

Portocargo coordenou e transportou mais de mil toneladas de EPIS

portocargo

Durante a pandemia, a Portocargo exportou cerca de 22 mil volumes e mais de mil toneladas de EPIs (equipamentos de proteção individual), material médico e termómetros, além de maquinaria industrial para a produção de máscaras.

No ano em que completa trinta anos, a empresa logística viu-se confrontada com um cenário sem precedentes no panorama do transporte internacional de mercadorias. A pandemia e as respetivas medidas de mitigação adotadas pelos diferentes Governos, provocaram bloqueios em muitos portos e aeroportos a nível mundial, causando dificuldades inéditas na cadeia logística mundial.

A evolução da pandemia a nível global veio provocar uma grande procura de material de proteção e de ligações a partir da China. A experiência e parcerias históricas da Portocargo neste mercado, responsável por cerca de 70% da faturação da empresa no continente asiático, foram decisivas para algumas das principais operações logísticas realizadas neste período.

No passado mês de março, partiu de Xangai um Antonov NA – 124, o segundo maior avião de carga do mundo, com 80 toneladas de material médico e de proteção, com destino ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, que posteriormente seguiu para as várias unidades do Serviço Nacional de Saúde.

A missão logística que transportou, no final de maio, da China para Cabo Verde 40 toneladas de EPIs, foi a maior carga recebida numa só operação por parte do país lusófono, durante a atual pandemia.

Foram dezenas as ligações construídas pela Portocargo nos últimos meses que permitiram abastecer com mais de mil toneladas de material hospitalar e de proteção os serviços nacionais de saúde de diversos países, distribuídos pelos continentes europeu, asiático, africano e americano.

A atividade da empresa durante este período não se resume, contudo, ao transporte de mercadorias essenciais para o combate à atual pandemia. No principal subsetor de atividade da empresa, o transporte marítimo, estas representam mesmo um valor simbólico na totalidade de mercadoria transportada. Mesmo perante os enormes condicionamentos à circulação internacional, e as barreiras em vários portos mundiais, a Portocargo tem logrado satisfazer as necessidades de importação e exportação de matérias-primas e produtos acabados dos vários clientes, representantes de diversos setores e localizações geográficas.

De acordo com Mário de Sousa, estes resultados apenas são possíveis devido à abordagem diferenciadora da empresa: “na Portocargo, não falamos em escalabilidade, mas em personalização. Formatamos soluções específicas e ajustadas às necessidades de cada cliente e de cada carga, o que nos permite ser muito flexíveis e ágeis perante as diversas contingências que surgem na cadeia logística”.

Os resultados alcançados parecem confirmar as mais-valias da estratégia definida, com a empresa a registar um crescimento do volume de negócios, entre os meses de janeiro e maio, face a igual período do ano anterior.

Em 2019, a Portocargo faturou cerca de 13,6 milhões de euros, alcançados nos mais de 90 mercados em que a empresa opera.