Portos

Portos nacionais movimentaram 87 milhões de toneladas de mercadorias em 2018

Portos nacionais movimentaram 87 milhões de toneladas de mercadorias em 2018

Os portos comerciais do Continente movimentaram cerca de 87 milhões de toneladas de mercadorias em 2018, uma quebra de 2,5% face a 2017, com o porto de Sines a liderar a movimentação de mercadorias com uma quota de 50,9%. De acordo com a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, “no ano de 2018, no âmbito do comércio internacional, foi realizado um tráfego de mercadorias de 102 milhões de toneladas, equivalente a 133 mil milhões de euros, cabendo ao transporte marítimo uma quota de 57% da tonelagem e de 29% do valor.”

“Segundo os dados apurados pela AMT, no ano de 2018 foram movimentadas, pelos diversos modos de transporte (nomeadamente marítimo, rodoviário, ferroviário e aéreo), cerca de 252,4 milhões de toneladas de mercadorias em termos de peso líquido, um valor inferior em 1,2% ao volume registado no ano anterior, tendo o tráfego nacional sido responsável por 58,5%, e o tráfego internacional por 41,5%”, diz a AMT.

“A movimentação deste volume de carga foi efetuada maioritariamente em tráfego rodoviário, ao qual são respeitantes 62,5% do total (correspondente a 89,9% do tráfego nacional e 23,9% do tráfego internacional). O transporte marítimo foi responsável por 33,2% (4,4% no tráfego nacional e 73,8% no tráfego internacional)”, acrescenta.

Considerando apenas o tráfego efetuado pelo conjunto dos portos comerciais do Continente, assinala-se um movimento total de quase 87 milhões de toneladas de mercadorias, valor inferior em -2,5% ao registado em 2017. “Este desempenho global decorre do comportamento negativo registado na maioria dos portos, onde apenas Aveiro, Setúbal e Faro observaram uma variação positiva, com acréscimos de, respetivamente, +9,2%, +12,7% e +71,3%. Dos portos com variações negativas face a 2017, destacam-se Lisboa, com -6,8%, Leixões, com -2,4%, e Sines, com -4,6%, sendo estes dois últimos particularmente influenciados pela quebra da importação de Granéis Líquidos, onde o Petróleo Bruto detém especial significado. Em termos de quotas globais, destaca-se o porto de Sines cujo movimento representa 50,9%, seguindo-se Leixões e Lisboa com 20,3% e 11,9%, respetivamente”, refere ainda a Autoridade da Mobilidade e do Transportes.

O transporte marítimo de mercadorias movimentadas nos portos do Continente em 2018 foi assegurado por operadores de cerca de 62 nacionalidades distintas, sendo que no tráfego internacional o maior volume foi afeto à Suíça, com uma quota de 29,7%, seguindo-se a Holanda e a Grécia com 8,3% e 8%, respetivamente.