Quantcast
Transportes

“Rumo a Emissões Líquidas Zero” – Iveco e Shell juntam-se em iniciativa climática

A Iveco e a Shell juntaram-se apelaram à mudança para um futuro mais limpo num debate dedicado ao tema “Rumo a Emissões Líquidas Zero – O caminho para um sistema de transportes de pesados sustentável”.

Em comunicado, as duas empresas afirmam que para a mudança se concretizar é necessário a cooperação dos diferentes intervenientes – da indústria energética e fabricantes de veículos, aos clientes e instituições.

Os membros do painel centraram-se na necessidade de uma adoção mais ampla de fontes de energia mais limpas e no papel que o GNL e o Bio-GNL têm a desempenhar no mix energético dos transportes, juntamente com os desenvolvimentos na eficiência dos veículos, e nas tecnologias de hidrogénio e de propulsão eléctrica.

“Na Iveco assumimos o desafio da qualidade do ar e das alterações climáticas como uma total prioridade, dado que são questões extremamente urgentes. Por esta razão, a Iveco comprometeu-se a estar isenta da dependência de fontes fósseis até 2040, antecipando em 10 anos o ambicioso objectivo estabelecido pela Comissão Europeia sobre neutralidade de carbono”, afirmou o Chief Operating Officer da Iveco Truck Business Unit, Luca Sra.

O painel de discussão contou com: o Diretor de Desenvolvimento de Negócios de Propulsões Alternativas da IVECO, Giandomenico Fioretti;  o Downstream LNG Europe Lead da Shell, Christian Hoellinger;  o Diretor de Estratégia da IRU (União Internacional de Transportes Rodoviários) Matthias Maedge; e o Diretor Sénior e Líder de Mobilidade Limpa e Inteligente da FTI Consulting, Christoph Domke.

Durante o debate, Giandomenico Fioretti salientou que a procura de camiões articulados a GNL tem crescido de forma constante, tendo estes veículos deixado de ser um produto de nicho em 2015 e representando atualmente quase 4% do volume total da indústria.

O painel considerou que é necessaría a expansão da infraestrutura de forma a impulsionar ainda mais a produção de Bio-GNL, como um fator determinante para alcançar zero emissões líquidas de CO2.

A discussão encerrou com um apelo à ação para que todos os interessados unam esforços no apoio à transição para o GNL e o Bio-GNL.