Sustentabilidade

Scania dá formação sobre Sustentabilidade aos seus colaboradores

Scania dá formação sobre Sustentabilidade aos seus colaboradores

Na semana em que se celebra o Clima, a Scania interrompe a sua atividade para dar uma formação sobre Sustentabilidade aos seus colaboradores.

De acordo com a empresa, com o objetivo de cumprir as metas estabelecidas pelo Acordo de Paris, esta sexta-feira (20 de setembro) os escritórios centrais da marca, as fábricas e as unidades locais de todo o mundo, num total de 52 mil colaboradores, interrompem a sua atividade durante uma hora para aprender mais sobre as alterações climáticas e perceber o que pode ser mudado na atividade em nome da Sustentabilidade.

Henrik Henriksson, presidente e CEO da Scania, explica que “trabalhámos empenhadamente pela sustentabilidade e esta tem um profundo impacto nos nossos produtos, na nossa produção e na forma como fazemos o nosso negócio. As empresas desempenham um papel importante na luta contra as alterações climáticas. Não podemos ficar de braços cruzados. Agora avançámos mais e escolhemos a formação como a ação principal do nosso Climate Day – acreditamos que aumentar o conhecimento sobre as alterações climáticas é crucial para poder cumprir o Acordo de Paris”.

Em Portugal, os 180 funcionários da empresa frequentaram workshops para trazer ideias de melhoria aplicáveis a todos os níveis da empresa. Sebastián Figueroa, diretor geral da Scania Ibérica, acrescenta que “é um orgulho comprovar como o compromisso com o meio ambiente está presente a todos os níveis na Scania. Esta jornada dá-nos a oportunidade de aprofundar questões sobre as alterações climáticas, compreender melhor a importância de liderar o transporte sustentável e ter a oportunidade de receber propostas de melhoria em cada área. Além disso, estas propostas vêm daqueles que melhor conhecem cada área: os próprios funcionários, pelo que o nível de pormenor e de compromisso é o máximo.”

Com o objetivo de contribuir para a Sustentabilidade do planeta, a Scania já se comprometeu a reduzir em 50% das emissões de CO2 no transporte terrestre logístico, por tonelada transportada, até 2025; a reduzir em 50% as emissões de CO2 nas suas operações, até 2025; a alterar para uma eletricidade 100% livre de combustíveis fósseis nas próprias operações até 2020 e a disponibilizar no mercado a gama mais ampla de produtos que funcionam com alternativas aos combustíveis fósseis.